Deus sendo glorificado ao máximo nEle mesmo desde toda a eternidade
 

Deus sendo glorificado ao máximo nEle mesmo desde toda a eternidade

Não haverá um tempo onde Deus será mais glorificado. Não haverá um tempo onde Deus irá receber mais glória porque nEle Ele é glorificado ao máximo desde toda a eternidade (João 17:5).

 

O objetivo de todo homem é glorificar a Deus. É fazer no tempo e no espaço e então, por toda a eternidade, o que Ele (Deus) sempre tem recebido nEle mesmo desde todo sempre.

 

Estou dizendo isto porque nós temos que entender sobre a eternidade de Deus para que possamos entender todos os Seus atributos, que são um nEle de acordo com Sua Simplicidade ou Perfeição.

 

Deus habita na eternidade conforme lemos em Isaías 57:15 (“Porque assim diz o Alto e o Sublime, que habita na eternidade). Em Êxodo 3:14 Deus diz que Ele é o “EU SOU O QUE SOU” e em Isaías 40:28 nós lemos sobre o “eterno Deus”. Desta forma, podemos dizer que Deus habita nEle mesmo.

 

Devemos ter em mente que quando falamos sobre a eternidade de Deus não estamos nos referindo à categoria do tempo pois em Gênesis 1:1 é dito que “No princípio criou Deus os céus e a terra.” o que nos mostra que Ele está acima do tempo e do espaço e que estes foram criados por Ele. Portanto esta eternidade de Deus deve ser entendida no sentido da atemporalidade.

 

Sabendo que Deus habita a eternidade, não há possibilidade de Ele ter um começo ou fim. Portanto Deus “está no passado, presente e futuro ao mesmo tempo” e, estes momentos que acontecem no tempo e espaço para nós que somos criaturas finitas, só acontecem porque isto já estava decidido por Deus na eternidade. Em Isaías 46:10 Deus nos diz que Ele anuncia “o fim desde o princípio, e desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam.”

 

Então, como nós podemos saber que Deus é glorificado ao máximo nEle mesmo?

A resposta é a simplicidade ou a perfeição de Deus.

 

Para começarmos a entender isto, nós temos que saber quem Deus é em Seu ser. A Escritura diz que Deus é o único Deus verdadeiro existente em três pessoas (o Pai, o Filho e o Espírito Santo). João, em sua primeira epístole no capítulo 5, versículo 7, diz que “três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um.”

 

A Escritura também nos diz que o Senhor é um e o único Deus conforme Deuteronômio 6:4 e Marcos 12;29 (Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor); Isaías 45:5 (Eu sou o Senhor, e não há outro); Deuteronômio 4:35 (A ti te foi mostrado para que soubesses que o Senhor é Deus; nenhum outro há senão Ele). Ele é o único Deus e Ele é um. Só há um Deus.

Então, quem é Deus?

 

Ele existe em três pessoas distintas (o Pai, o Filho e o Espírito Santo). A Escritura diz que o Pai é Deus (1 Coríntios 8:6; Efésios 4:6; Efésios 1:3). A Escritura diz que o Filho é Deus (João 1:1; João 1:18; João 20:28; Filipenses 2:6). A Escritura diz que o Espírito Santo é Deus (Atos 5:3-4; 1 Coríntios 3:16 e 6:19). E a Escritura nos mostra exemplos da unidade e trindade de Deus (Mateus 28:19; Romanos 8:9; Marcos 1:10-11). É bom dizer que não são três deuses mas três pessoas distintas que são o mesmo Deus verdadeiro que é um.

Os atributos de Deus no seu Ser.

 

Nós temos visto que Deus é eterno e trino. Portanto todos os Seus atributos são eternos. Ele é o Deus trino (o Pai, o Filho e o Espírito Santo) e os Seus atributos podem ser entendidos se entendermos o seu Ser.

 

Um dos atributos de Deus é o Seu amor. Deus é amor, é o que João diz em sua primeira epístola no capítulo 4, versículo 8, e Ele é amor porque Ele é trino. O Pai sempre tem tido um relacionamento em eterno amor com o Filho no Espírito. O Pai sempre amou o Filho e o Filho sempre amou o Pai no Espírito e, este amor, que tem sempre sido puro, é puro por causa da simplicidade ou perfeição de Deus. Deus ama a Ele mesmo neste relacionamento entre as três pessoas da trindade.

 

Deus é perfeito em Seu relacionamento com Ele mesmo. Deus “exercita” Seus atributos sempre e de maneira perfeita nEle mesmo de tal forma que Ele não depende de nada fora dEle para “exercitá-los”. Deus sempre amou a Ele mesmo na sua trindade. Ele tem sempre sido justo na Sua trindade. Ele tem sempre sido bom na Sua trindade. Ele tem sempre sido santo na Sua trindade. Ele tem sempre “exercitado” Seus atributos ou, em outras palavras, “exercitado” a Si mesmo em Seu Ser. Ele tem sempre sido glorificado ao máximo em Si mesmo.

 

Sabendo disto, devemos entender que não haverá um tempo em que Deus será mais glorificado pois, como vimos, Ele tem sempre sido glorificado ao máximo nEle mesmo. O que podemos dizer é que Deus irá dar a conhecer as suas criaturas os Seus atributos como diz Paulo em Romanos 9:22,23, os quais Ele já fez conhecido por completo em Jesus Cristo. A exibição dos atributos de Deus estava em Jesus Cristo na cruz.

 

Com base no que foi dito podemos entender que o eleito tem uma segurança abençoada.

É impossível para Deus não amar o eleito porque o eleito é justificado pelo sangue do Amado do Pai conforme Romanos 5:9 e é conformado à Sua imagem (à imagem de Cristo) como Paulo diz em 2 Coríntios 3:18 (“Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.”)

 

Deus ama o eleito porque Ele (Deus) ama a Ele mesmo. O Pai ama o eleito porque Ele ama o Filho no Espírito. O Filho ama o Eleito porque Ele ama o Pai no Espírito.

 

Quão maravilhoso é saber disto porque a segurança que todo o Cristão têm é que Deus é perfeito em Seu relacionamento com Ele mesmo. Seus eleitos, que foram escolhidos por Deus antes da fundação do mundo conforme Efésios 1:4, têm esta segurança do amor de Deus porque Deus ama a Si mesmo em sua trindade.

 

O amor de Deus pelo eleito é eterno porque o eleito é conformado a imagem do Filho eterno (Romanos 8:29), o qual o Pai tem sempre amado e em quem Ele se compraz (Marcos 1:11) e porque Ele decidiu desde a eternidade predestinar, chamar, justificar e glorificar todos que Ele dantes conheceu de acordo com Romanos 8:29-30. Se isto foi decidido na eternidade, no próprio Deus, então o amor que Deus tem pelo eleito é eterno (Jeremias 31:3) e se Deus, que está acima do tempo, decidiu na eternidade fazer pelo eleito tudo o que vimos em Romanos 8:29-30 (predestinar, chamar, justificar e glorificar), então isto já está feito Nele mesmo (em Deus). Nós, o seu povo, iremos experienciar isto, nós estamos experienciando isto (como criaturas finitas), mas já está feito em Deus. Deus pode e ama seu povo eleito porque isto já está feito Nele desde a eternidade. Oh segurança abençoada!

 

A situação do réprobo, no entando, é diferente.

 

A ira de Deus está sobre todo aquele que está fora do Amado porque é impossível para Deus amar o que não é perfeito, e quando digo o que não é perfeito me refiro ao que não é encontrado em Cristo. Não existe nenhuma possibilidade para Deus e Ele não quer amar o réprobo. Dizer que Deus ama o réprobo é dizer que Deus pode amar qualquer um que está fora de Cristo, fora do Amado do Pai. Isto é impossível para Deus porque isto é dizer que Ele ama o que é imperfeito.

 

A ira de Deus está sobre o réprobo porque ele não está em Cristo e nunca pode estar. Se ele está fora de Cristo, não há nenhuma possibilidade para Deus de amá-lo (Salmo 5:4-6; Salmo 11:5). Só há a ira do Deus Santo sobre ele. A ira que está sobre tudo e todos que estão fora dEle mesmo.
Deus decidiu desde toda a eternidade fazer isto.

"Lembrai-vos das coisas passadas desde a antiguidade; que eu sou Deus, e não há outro Deus, não há outro semelhante a mim. Que anuncio o fim desde o princípio, e desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam; que digo: O meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade."
Isaías 46:9,10

  • Twitter - Black Circle
  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram

© 2019 por Legado Reformado