Falando Pessoalmente

 

Rev. Angus Stewart

 

 (Ligeiramente modificado de um artigo publicado pela primeira vez em 2004 na Beacon Lights, uma revista para jovens protestantes reformados)

 

Em 8 de outubro de 1973, nasci sendo o segundo filho e o filho mais velho de Ronnie e Lorna Stewart. Pouco depois, fui batizado na Igreja da Irlanda. Meu tempo na Igreja da Irlanda me deixou com duas impressões indeléveis. Primeiro, eu achei a igreja muito monótona e entediante, e de fato, de que o verdadeiro evangelho não era pregado lá. Em segundo lugar, eu pensei que a salvação era pelas obras do homem e que eu era basicamente bom.

Quando adolescente, como os outros da minha idade, entrei em aulas preparatórias de confirmação para receber a Ceia do Senhor. Depois de algumas semanas, deixei as aulas porque não achava que fosse cristão e também participar da Comunhão seria hipocrisia.

Crescendo no sistema escolar estatal, e especialmente ao progredir até o ensino médio, eu inconscientemente absorvi a mensagem não articulada da educação pública: Deus é irrelevante; o homem pode entender o mundo sem Deus; a ciência nos dá conhecimento real; a religião é uma piada.

Quando fiquei mais velho, comecei a fazer as coisas que jovens descrentes faziam nessa idade. Isso me perturbou. Talvez eu não fosse uma boa pessoa. E se a Bíblia é verdadeira e realmente existe um lugar de punição eterna para os ímpios? Eu senti que estava chegando a uma encruzilhada. Se não houvesse Deus, então eu deveria continuar com meus prazeres mundanos e suprimir meus medos. Mas e se Jesus realmente fosse o Filho de Deus?

Eu decidi que deveria examinar a profecia bíblica para ver se Jesus Cristo foi o único pre-dito no Antigo Testamento. Minha mãe, que é cristã, me deu alguns livros sobre profecia e o fim dos tempos. Ao ler, fiquei convencido de que Cristo era o cumprimento da profecia e que Ele viria novamente. Mas eu não podia acreditar nEle porque amava o mundo e tinha medo do que meus amigos pensariam. Como Jesus disse: " Como podeis vós crer, recebendo honra uns dos outros…?(João 5:44)

Naquele verão, quando estava de férias em Portrush, na costa norte da Irlanda do Norte, conheci quatro jovens da Missão da Fé, um grupo de “segunda bênção” e leigos pregadores. Um deles era um arminiano, outro calvinista, e os outros dois eram mais próximos do primeiro. (Essas avaliações teológicas, você entende, eu faço com o benefício da retrospectiva.) Ao participar de suas reuniões e fazer perguntas, fiquei cada vez mais convencido do meu pecado e miséria. Eu experimentei a escravidão do desejo, que embora eu soubesse que eu deveria me arrepender e crer para ser salvo, eu não poderia desejar tal coisa. A verdade que Deus usou para me converter foi a eleição. O calvinista explicou que Deus escolhe eternamente alguns e não todos, e que somente os eleitos recebem fé. Essa verdade me desconcertou e humilhou minha mente orgulhosa. No entanto, as pessoas pensam que pregar a eleição é um obstáculo ao evangelismo!

Em setembro, voltei para o meu último ano na escola, com medo do que meus amigos pensariam de eu ser um cristão. Eu li a Bíblia com entusiasmo, em parte para poder testemunhar a eles. Suas perguntas e comentários me levaram a ler livros cristãos com mais diligência. Também o jovem que Deus usou em minha conversão me escreveu cartas, me visitou e me encorajou na vida cristã. Ele falou da graça soberana de Deus e recomendou literatura calvinista. Na época, achei que ele era um pouco insistente, mas estou grato que ele tenha persistido!

Como um “bebê” jovem em Cristo, eu não fui capaz de explicar o que estava errado com a igreja metodista que eu estava frequentando. Descobri que obtive mais benefícios ao ler a Bíblia no banco enquanto o ministro estava pregando do que ouvir seu sermão. Sempre interessado em aprender mais sobre a Palavra de Deus, assisti as palestras sobre o Antigo Testamento e sobre o Novo Testamento no colégio teológico metodista. Lá ouvi falar dos vários "autores" do Pentateuco, os vários "Isaías" e a crítica da fonte do Evangelho. Embora eu não tenha conseguido reconhecê-lo na época, a igreja metodista foi marcada por críticas superiores, ecumenismo, arminianismo, feminismo e carismático.

Então, quando ouvi falar de uma Igreja local nomeada Presbiteriana de “Ulster” , comecei a frequentá-la e, alguns meses depois, me tornei membro. A pregação ali era muito mais clara, fluindo da confiança na inerrância da Escritura. Naquela igreja recebi muita ajuda, pela qual sou grato, embora também tenha caído nos erros da pregação de “leigos” e do anabatismo.

A essa altura, eu estava estudando na Queen’s University, em Belfast, na Irlanda do Norte, onde acabei me formando em Estudos Bíblicos. Os cursos foram amplamente moldados pelas preocupações e métodos de maior crítica. Mas eles tinham algum valor no fato de me incentivarem a ler as Escrituras e a desenvolver respostas para os críticos. Meu curso universitário não era muito exigente, então participei de outras palestras sobre filosofia e história e algumas aulas noturnas, e participei de aulas no Reformed Presbyterian College (Colegio Presbiteriano Reformado).

Enquanto continuei lendo literatura reformada, comecei a ver as deficiências da Igreja Presbiteriana “Livre”, incluindo seu Arminianismo, sua teologia batista e seu desrespeito pelo princípio regulador do culto. Tentei me divorciar de algumas das saídas da denominação com base no fato de que as coisas na minha congregação eram melhores. Os hinos me causaram problemas, pois eu não conseguia mais cantar as partes arminianas. Li The Singing of Psalms in Worship of God, (Cantando os Salmos no culto de Adoração para Deus) de G. I. Williamson, e fiquei cada vez mais preocupado em cantar poemas humanos no culto público de Deus, pois, se esse livreto estava certo, eu estava me envolvendo pessoalmente com o pecado.

Tudo isso foi particularmente difícil para mim porque eu acreditava, desde o tempo da minha conversão, que fui chamado para pregar o evangelho. Mas como isso poderia ser se eu não pudesse mais dar 100% de lealdade à igreja da qual eu era membro?

Por essa época, entrei em contato com a Fellowship Reformed Covenant (CRF) por meio de um colega que era da Ballymena. Nós ligamos para o Sr. Callender (o gerente de livraria da CRF na época) e pegamos alguns panfletos protestantes reformados. Eu comecei a participar de algumas das reuniões da CRF. O Rev. Hanko respondeu minhas perguntas. Conheci sua família e fiquei impressionado: o culto da família e as moças que conheciam a teologia reformada. Eu não conhecia nada do tipo na Irlanda do Norte!

No verão de 1996, participei da Conferência da Irmandade Reformada Britânica em Ashburnham, Inglaterra, sobre "A Igreja". As palestras proclamara para mim a necessidade de me unir a uma igreja reformada, uma discussão com o Prof. Hanko uma noite resolveu esse assunto para mim.

Resignei-me da Igreja Presbiteriana “Livre”, citando em minha carta vários artigos nos Padrões de Westminster dos quais a igreja havia partido, e me uni à Igreja Reformada Protestante da Aliança (CPRC) que havia constituído até então. A pregação abriu meus olhos para a graça soberana, a aliança, os sacramentos, a igreja, as três marcas da igreja, as confissões, adoração, escatologia e etc.

Depois de concluir quatro anos na Queen’s e administrar um posto de gasolina / supermercado por um ano, estudei por quatro anos no Seminário Reformado Protestante. Muitos membros da família e amigos não entenderam por que eu precisava ir a um seminário na América: "Nenhuma das faculdades do Reino Unido é boa o suficiente?" Quando voltei muitos vieram a entender.

Os quatro anos em Grand Rapids foram os dias mais pacíficos da minha vida cristã. Pela primeira vez, eu estava em um ambiente que era verdadeiramente reformado, onde eu não estava envolvido em debates com incrédulos e cristãos professos de várias convicções teológicas. Os destaques do meu treinamento no seminário foram os cursos sobre Dogma Reformada, História da Igreja e História do Dogma. Um homem na Inglaterra escreveu recentemente que o Seminário Reformado Protestante "provavelmente representa o último bastião do ensino reformado, que sustenta todo o conselho de Deus". Jovens, deem valor e orem pelo seu seminário!

Enquanto estava no seminário, encontrei uma esposa maravilhosa, uma resposta para muitas orações. Eu não tinha muita ideia quando nos casamos da quantidade de talentos de Mary. Eu não seria capaz de servir no ministério sem ela.

Em 4 de julho de 2001, fui ordenado ministro do CPRC na Irlanda do Norte, com o reverendo Gritters trazendo a Palavra de Deus. O primeiro ano do meu ministério foi muito difícil e, no entanto, foi um ano muito gratificante e abençoado. Eu sabia que havia problemas na congregação antes de vir, mas não sabia o quão sérios eles eram. Um espírito de ilusão estava no exterior na igreja. Todas as nossas doutrinas eram realmente verdadeiras e, se fossem, eram importantes? A apostasia veio à tona quando os anciãos decidiram que os membros não precisavam mais confessar as Três Formas de Unidade, apenas o Credo dos Apóstolos, como é explicado nos artigos relevantes do Catecismo de Heidelberg. Eles entenderam que isso também significaria o fim do relacionamento de nossa igreja irmã com as Igrejas Reformadas Protestantes.

Em uma reunião congregacional especial, a maioria dos membros confessos do sexo masculino votou pelo desmantelamento da igreja. "…Não sabeis que um pouco de fermento faz levedar toda a massa?" (I Cor. 5: 6). A dissolução foi um alívio porque não podíamos avançar com funcionários e membros que não acreditavam mais que as doutrinas da igreja eram "a verdadeira e completa doutrina da salvação" ("Forma para a Confissão Pública de Fé"). Foi decepcionante que a pregação e doutrinas da igreja significou tão pouco para muitos.

Jovens, seu chamado é "Comprar a verdade e não a vender" (Provérbios 23:23). Não permita que a pressão de amigos ou familiares, ou a atração do progresso e da popularidade neste mundo ou na igreja, tentem você a desistir de um iota da verdade de Deus! É precioso demais, pois é através da verdade que conhecemos o Deus Triúno em Jesus Cristo! Tempos de peneirar vêm nas vidas de indivíduos, famílias e igrejas. As Escrituras ensinam que "também deve haver heresias entre vós, para que os que são aprovados sejam manifestados entre vós" (I Cor. 11:19). Somente aqueles "arraigados e edificados em [Cristo], e estabelecidos na fé como foram ensinados" (Cl 2: 7) permanecerão. O restante será "carregado com todo vento de doutrina" (Efésios 4:14). Eles e seus filhos partirão.

Nos últimos dois anos, tive a alegria de ver Jesus Cristo edificar Sua igreja aqui e os santos crescendo em graça. Com a “Comunhão Protestante Reformada da Aliança” fundada na fé Reformada sem compromisso ou concessão, a unidade e a paz retornaram. Na vontade de Cristo, o desmantelamento do CPRC foi o caminho a seguir.

Você, como a juventude das Igrejas Protestantes Reformadas, deve estar convencido de que igrejas e missões Protestantes Reformadas precisam manter doutrinas distintamente Protestantes Reformadas - a verdade da Palavra de Deus - mesmo que a batalha seja dura e o custo seja alto. Trabalhar pela fé reformada é trabalhar por uma causa digna, uma causa à qual você deve dedicar o coração e a alma.

Artigo retirado do site: http://www.cprf.co.uk/articles/speakingpersonally.htm#.XFYAy6pKiUk

Para mais conteúdo reformado em portugês clique no link abaixo:
http://www.cprf.co.uk/languages/portuguese.htm#.W_H5f-gzbIUp://www.cprf.co.uk/languages/portuguese.ht

  • Twitter - Black Circle
  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram

© 2019 por Legado Reformado