Mateus 23:37 Ensina o Desejo de Deus de Salvar Todos?

 

Rev. Angus Stewart

 

Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, apedrejas os que a ti são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e não o quiseste! (Matt. 23:37).

 

(I)

 

Este texto tem sido abusado por homens pelagianos, semi-pelagianos, arminianos e homens de boa vontade que ensinam que Deus deseja salvar todo o povo de Jerusalém (e, por extensão, todos no mundo), mas muitos deles parecem. "Veja", a oferta bem-intencionada alguns dizem: "Cristo quis salvar Jerusalém, mas eles não o deixaram. Aqui está um desejo universal de Deus para a salvação de todos". Os arminianos vão um passo além: "Assim não há reprovação de alguns e nem eleição de outros. Também a graça de Deus deve ser resistível, pois, embora Deus quisesse salvar a todos, a vontade do homem o impediu".

 

No entanto, Cristo não diz que Ele quis reunir Jerusalém, mas Jerusalém resistiu. Nem Ele diz que Ele quis reunir os filhos de Jerusalém, mas os filhos de Jerusalém resistiram. Cristo diz que Ele quis reunir os filhos de Jerusalém, mas Jerusalém resistiu. Cristo fala aqui de dois grupos diferentes: Jerusalém e os filhos de Jerusalém. Ele diz coisas diferentes sobre esses dois grupos: Jerusalém matou e apedrejou os profetas e mensageiros de Deus; Cristo quis reunir os filhos de Jerusalém; Jerusalém não quis que Cristo reunisse os filhos de Jerusalém.

 

O que se entende por Jerusalém aqui? Jerusalém se refere aos líderes religiosos de Israel, os escribas e fariseus. Leia Mateus 23; Cristo denuncia os "escribas e fariseus [como] hipócritas" (cf. vv. 13, 14, 15, 23, 25, 27, 29). Eles são Jerusalém, como os representantes religiosos do povo. Essa forma de discurso é usada com frequência, por exemplo, "Washington" é freqüentemente usado para os líderes políticos dos EUA. As crianças de Jerusalém não são os líderes, mas aqueles liderados - as pessoas comuns. Como as crianças, as pessoas comuns não eram instruídas e precisavam de orientação religiosa. Eles são aqueles que Cristo quis reunir sob as asas da salvação (cf. Sl 17: 8; 91: 4). Para falar ainda mais precisamente, eles são os verdadeiros filhos da Jerusalém celestial (Gálatas 4:26), aqueles a quem o Filho do homem "veio buscar e salvar" (Lucas 19:10), aqueles dados a Cristo por Seu Pai (João 6:37, 39).


 

Cristo quis salvar os filhos de Jerusalém, mas Jerusalém (os líderes religiosos) não quiseram. Isso não significa que eles frustraram a vontade de Cristo. Depois que Cristo diz que Ele quis reunir os filhos de Jerusalém, Ele não diz que eles O impediram. Em vez disso, Ele diz: "e não o quiseste!" Essas palavras, por si só, não dizem se os escribas e fariseus conseguiram impedir ou não que Cristo reunisse Seus filhos. Em vez disso, Ele expõem a maldade dos líderes religiosos. Todo o seu chamado, como professores da igreja de Deus, era para o ajuntamento dos filhos de Deus. Mas quando o Messias veio para reunir Seus filhos, eles se opuseram a Sua obra: "e não quiseste!" Não é de admirar que Cristo os amaldiçoou: " Eis aí abandonada vos é a vossa casa." (Mateus 23:38).


 

Os escribas e fariseus fizeram tudo que podiam para impedir que o Messias reunisse Suas galinhas eleitas. Eles lhe fizeram perguntas tentando enganá-lo (Mateus 22). Eles disseram que Seu ensino contradiz Moisés e que Seus milagres eram feitos pelo poder do diabo. Eles concordaram em excomungar aqueles que O confessavam como Cristo (João 9:22). Jesus gritou: “Mas ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque fechais aos homens o reino dos céus; pois nem vós entrais, nem aos que entrariam permitis entrar." (Mt 23:13). No entanto, seu chamado era apontar o povo para Cristo!

 

Alguns afirmam que, embora Cristo quisesse reunir os filhos de Jerusalém (verdadeiro), Jerusalém o impediu (falso). O texto em si não diz se Cristo foi ou não bem sucedido em reunir os filhos de Jerusalém. Apenas ensina que Cristo desejava reunir Seu povo e que os escribas e fariseus não o desejavam. Se Ele reuniu os filhos de Jerusalém ou se Ele falhou deve ser determinado em outro lugar.

 

Sabemos que Cristo reuniu Lázaro, Maria e Marta, cego Bartimeu, Zaqueu, Nicodemos, José de Arimatéia, etc. Como Jesus disse: "As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem; eu lhes dou a vida eterna, e jamais perecerão; e ninguém as arrebatará da minha mão "(João 10: 27-28). Além disso, "as ovelhas seguem [Cristo]: porque conhecem a sua voz. E um estranho não seguirá, mas fugirá Dele, porque não conhecem a voz de estranhos" (João 10: 4-5). Cristo veio para fazer a vontade de Deus (João 4:34; 6:38) e a vontade de Deus é sempre feita: "Mas o nosso Deus está nos céus; ele faz tudo o que lhe apraz" (Sl. 115: 3). "Tudo o que o Senhor deseja ele o faz, no céu e na terra..." (Sl. 135: 6).



 

Como Agostinho disse:

Nosso Senhor diz claramente, no entanto, no Evangelho, quando censura a ímpia cidade: "quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e não o quiseste!!" como se a vontade de Deus tivesse sido superada pela vontade dos homens, e quando os mais fracos se interpusesse no caminho com sua falta de vontade, a vontade do mais forte não poderia ser cumprida. E onde está aquela onipotência que fez tudo o que lhe agradou na terra e no céu, se Deus quisesse reunir os filhos de Jerusalém e não a cumprisse? Ou melhor, Jerusalém não estava disposta a que seus filhos fossem reunidos, mas mesmo que ela não estivesse disposta, Ele reuniu quantos filhos quisesse: pois Ele não deseja algumas coisas e as faz, e deseja outras que Ele não faz; mas "Tudo que o Senhor deseja Ele o faz, no céu e na terra" (O Enchiridion, xcvii).

 

 

(II)

 

Muitos consideram que Cristo pronunciou estas palavras com amor e terna compaixão, mas o contexto revela que Ele está denunciando os escribas e fariseus. Sete vezes Ele os amaldiçoou: "Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas!" (Mat. 23:13, 14, 15, 23, 25, 27, 29). Ele os chama de tolos "cegos" (vv. 16, 17, 19, 24, 26). Ele pergunta: "Vós serpentes, ó geração de víboras, como escapareis da condenação do inferno?" (v. 33). Ele os designa como assassinos (vv. 34, 35, 37). Nosso texto é um "aviso" (Thomas Manton) e uma "censura" (Agostinho) proferida em "indignação" (Calvino) contra os maus guias religiosos. A repetição enfática, "Jerusalém, Jerusalém" (v. 37), foi proferida em justo desprazer contra os líderes corruptos que perverteram a lei (vv. 2-30) e estavam prontos para o julgamento (vv. 31-39). Assim, Ele acrescenta, imediatamente após o nosso texto: "Eis aí abandonada vos é a vossa casa" (38).


 

Alguns ensinam que as palavras de Cristo "quantas vezes eu teria reunido teus filhos ... e vós não", implicam que a vontade de Cristo de reunir os filhos de Jerusalém foi frustrada. No entanto, "quantas vezes" simplesmente nos diz que os líderes religiosos ("Jerusalém") se opuseram a que Cristo reunisse seus eleitos ("filhos de Jerusalém") muitas vezes. Eles fizeram isso por vários anos, através de seu ministério público. Eles se opuseram a Ele em Seus milagres (atribuindo-os a Belzebu); eles se opuseram a ele em seu ensino. Eles se opuseram a Ele com a tradição dos anciãos; eles se opuseram a Ele com sua interpretação errônea de Moisés. Eles se opuseram a ele no campo; eles se opuseram a ele em Jerusalém; eles se opuseram a Ele nos recintos do templo; eles se opuseram a ele em seu julgamento. Eles se opuseram a Ele, contratando Judas para traí-lo; chicoteando a multidão para gritar: "Crucifica-o!" e colocando pressão sobre Pilatos para executá-lo. Quantas vezes eles se opuseram a Ele, e mesmo assim Ele reuniu o cego Bartimeu, Zaqueu e todo o resto!


 

Os líderes perversos se opuseram tão fortemente a que Cristo reunisse Seu povo que eles O executaram sob acusações forjadas de criminoso. No entanto, a cruz foi o meio que Deus ordenou para salvar Seus eleitos! O Jeová, até a cólera do homem redundará em teu louvor (cf. Sal. 76:10)! O Salmo 2 é semelhante: os reis e governantes tomam conselhos juntos contra o Senhor e contra o seu Cristo (vv. 1-3). Eles O pregaram na cruz. Mas Deus ri deles (v. 4), pois esta é a mesma maneira pela qual Ele traz Seu Filho para o seu domínio universal: "Contudo, eu coloquei meu rei sobre o meu monte santo de Sião" (v. 6).


 

Assim, Mateus 23:37, em vez de ensinar a oferta bem intencionada (um desejo frustrado de Deus de salvar os réprobos), é a indignação de Jesus de líderes religiosos perversos que tentaram impedi-Lo de salvar Seu povo. Como esta Palavra precisa ser ouvida! Ministros liberais e sacerdotes romanos tentam impedir que seus membros da igreja ouçam o verdadeiro evangelho. Eles caluniam a fé reformada. Muitos maridos, esposas e familiares incrédulos se opõem aos crentes que freqüentam os cultos da igreja. No entanto, a boa notícia é que o Cristo, o Rei, reúne todos os filhos de Jerusalém por Sua graça irresistível!

 

Para exegese fiel deste texto de excelentes teólogos, ver "Citações em Mateus 23:37 e Lucas 13:34".

Artigo retirado do site: http://www.cprf.co.uk/articles/matthew23v37offer.html#.XFiv6VxKiUk

Para mais conteúdo reformado em portugês clique no link abaixo:
http://www.cprf.co.uk/languages/portuguese.htm#.W_H5f-gzbIUp://www.cprf.co.uk/languages/portuguese.ht

  • Twitter - Black Circle
  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram

© 2019 por Legado Reformado