O mal do drama

Rev. Richard J. Smit

 

Introdução

“O drama é o mal.” Quem se atreveria a dizer isso hoje? Quem se atreveria a dizer que quando o drama é tão amplamente aceito e apreciado por muitos cristãos?

O drama do rádio, da televisão, do cinema, do vídeo e do cinema é muito bem recebido e apreciado por muitos cristãos que não conseguiram examinar criticamente o que estão realmente fazendo. Hoje, nos tornamos tão acostumados ao drama que se tornou uma parte aceitável de nossa vida diária. Muitas crianças cresceram com isso em casa e continuam entretendo-se como aprenderam. Mantendo-se em sintonia com esses lares, muitos conselhos escolares cristãos integraram o drama no currículo como uma ferramenta para instruir seus alunos do ensino fundamental e médio em aulas bíblicas ou aulas de história da igreja, por exemplo. Muitas igrejas promovem drama para programas escolares dominicais, programas de Natal ou mesmo para serviços “especiais”.

Contra essa prática maligna, que está bem enraizada em muitos lares cristãos hoje em dia, o crente reformado deve pegar a espada da Palavra de Deus para se examinar, reformar-se e proteger-se das fascinações fascinantes e fascinantes do drama.

Não se engane, a questão fundamental que o crente enfrenta não é o mal do conteúdo pecaminoso do drama, mas a forma do próprio drama. Em oposição a esse mal, o crente deve olhar para a Palavra de Deus em direção e proteção. Avaliando a forma do drama à luz das Escrituras e das Três Formas de Unidade, o crente descobre que o drama é um mal que deve ser abandonado.

 

Vozes na história sobre o drama

Vozes Passadas

A igreja primitiva falou contra o drama. Naquele dia, a igreja lutou contra o mal do drama na forma de peças teatrais. Aprendemos com os historiadores da igreja que a igreja primitiva não apenas condenava o drama, mas também não batizava aqueles que participavam daquelas peças teatrais.

Mesmo os novos convertidos, que continuaram a observá-los por prazer, apesar das repreensões, também foram excluídos do batismo. Aqueles membros confessionais que voltaram a atuar ou a assistir ao drama foram disciplinados e, se necessário, foram até mesmo excomungados.

Em harmonia com essa visão do drama, o pai da igreja Tertuliano também condenou as peças. Ao instruir seus catecúmenos, ele lembrou que as peças eram inconsistentes com a vida cristã de mansidão, paz e pureza. Ele condenou o drama como um meio para encorajar a imoralidade.

Essa condenação foi retomada durante a era da Reforma. Por exemplo, William Farel escreveu a João Calvino uma vez expressando seu desejo de que esses homens nunca devessem conformar seu caráter aos pecados dos outros, mas conformarem os seus a Cristo em todo tipo de dever. Farel concluiu que a atuação causou grande dano espiritual ao próprio caráter espiritual da pessoa. Sem dúvida, João Calvino, que menosprezou o mundanismo e todas as diversões mundanas, concordou.

Nas igrejas reformadas, vozes recentes foram ouvidas contra o drama. Um ministro reformado escreveu que o drama, por sua própria natureza, dificulta a moldagem do próprio caráter espiritual e a imposição do novo homem de Cristo. O Dr. Leonard Greenway, ministro da Igreja Cristã Reformada na América do Norte, falou contra o drama: “Acreditamos que Deus deu a cada indivíduo suas próprias distinções criativas na vida, e que é pecaminoso para qualquer pessoa remodelar sua individualidade. Demonstrar raiva, tristeza, medo ou euforia sob estimulação artificial é uma profanação de dons e poderes que Deus quer que sejam usados ​​somente em sinceridade e verdade “( Standard Bearer,Volume 69, 1 de Setembro de 1993, p. 467).

Uma voz enganosa

Em 1928, o Sínodo da Igreja Cristã Reformada oficialmente decidiu advertir suas congregações contra o mal do drama nos cinemas. Em 1966, o Sínodo da Igreja Cristã Reformada encorajou as igrejas a rejeitar e condenar todo o drama que promove o pecado e ataca a vida santa e antitética do cristão. O que é de particular interesse na decisão deste último sínodo, é que condenando apenas o conteúdo maligno do drama, o sínodo ainda estabeleceu seu selo de aprovação sobre a forma do drama. De fato, o sínodo aprovou oficialmente o drama quando usado e produzido pelo coração e mente regenerados. Essa declaração sinódica oficial reflete muito da compreensão de muitos nas igrejas reformadas de hoje.

Essa voz recente soou algo novo e estranho. Como essa compreensão popular do drama está à luz das Escrituras e da fé reformada?

 

Algumas Distinções Importantes

Antes de passarmos a discutir o próprio drama e a fim de auxiliar nossa avaliação do drama, devemos primeiro distinguir o drama de duas outras coisas: imaginação e imitação.

Imaginação

Imaginação é a capacidade de pensar em situações que podem não ser reais. Esse poder pode ser usado para propósitos malignos para satisfazer os desejos da carne. Tal uso do poder da imaginação é proibido por Deus, que nos ordena a pensar somente em coisas santas e justas ( Filipenses 4: 8-9).). No entanto, há um bom uso desse poder de imaginação. Pode-se imaginar as consequências de um pecado para que ele fuja desse pecado. Pode-se usar a imaginação para entender um pouco os sofrimentos de um amigo para consolar aquele amigo. Usamos a imaginação quando lemos bons livros de ficção ou até mesmo lemos a história da Bíblia. Por exemplo, imaginamos os eventos de Israel quando a nação foi maravilhosamente libertada do Egito através do caminho seco no Mar Vermelho. Nós imaginamos alguns dos detalhes que Jesus expõe em Suas parábolas. Nesse caso, o propósito desse uso da imaginação é aprender os mistérios do Reino. No entanto, imaginação não é o mesmo que drama.

Imitação

A imitação é a outra atividade familiar para nós. Envolve copiar os hábitos ou ações de outro. Esta atividade deve ser cuidadosamente guardada contra o abuso do mal. Por exemplo, a imitação de uma criança sob o poder de uma natureza pecaminosa resulta em uma criança andando nos pecados de seus pais ou em uma figura esportiva famosa. Mesmo a imitação das ações de outra pessoa pode ser feita maliciosamente e com a intenção de humilhar.

Em contraste com o abuso maligno da imitação, existe a imitação espiritual apropriada. Em Efésios 5: 1 , lemos que somos ordenados a uma vida de imitação espiritual apropriada. Somos chamados a ser “seguidores de Deus” ou, literalmente, “imitadores de Deus”. Isso não significa que somos chamados a assumir as Pessoas de Deus como o drama exigiria, mas nós, como filhos de Deus, somos chamados a viver dessa imagem de Deus dada a nós em Cristo por meio de Seu Espírito regenerador, assim como vemos um filho imitar e depois realmente seguir na ocupação de seu pai, então o filho de Deus deve imitar Seu Pai celestial, e crescer na vida de retidão, santidade e verdade. Portanto, concluímos que a imitação deve ser distinguida do drama.

 

Uma descrição do drama

Definição

O que então é drama? O drama é comumente definido como aquela atividade de tomar sobre si a natureza e a pessoa de outro. Vemos que o drama vai muito além da imaginação e da imitação. O drama é a atividade de tentar se tornar outra pessoa. O ator procura tornar-se o sujeito das ações de outro homem, e ele até tenta adquirir os traços e a personalidade dessa outra pessoa. Isso é drama. Essa atividade é mais precisamente declarada pela representação da palavra. Essa é a melhor palavra porque a “representação” chega à essência do drama: assumir outra pessoa além da própria.

Três tipos de representação

 São três tipos de representação que são comuns hoje em dia. Primeiro, é o “drama do mal”. Seu conteúdo é totalmente imoral e sem Deus,  contra a justiça e santidade de Deus. O único propósito do “drama maligno” é promover uma falta de Deus sem precedentes ainda maior que a de Sodoma e Gomorra.

Em segundo lugar, há hoje um tipo de drama considerado popular por muitos cristãos como “bom drama”. O conteúdo deste drama não é abertamente ímpio, mas para entretenimento retrata a vida das pessoas morais exteriores. Em vez de ler um romance, muitos ligam o aparelho de televisão e assistem a um “bom drama”. Nesta categoria seria listado drama como “Little House on the Prairie” e “The Sound of Music”. Também se encontra nesta categoria o drama que retrata importantes indivíduos históricos ou eventos históricos.

Finalmente, o “drama religioso”. Esse é o tipo de drama que dramatiza a vida dos reformadores, ou mesmo a vida de indivíduos registrados nas Escrituras. Hoje, é comum encontrar drama na televisão, no vídeo e no rádio contendo a personificação das vidas de Noé, Abraão, Davi, Pedro, Paulo, Martinho Lutero, ou mesmo o nascimento de Jesus, embora algumas peças tenham procurado uma aparência de decência omitindo a cena do gerente.

Um formulário básico

Qualquer que seja o conteúdo, é indiscutivelmente verdadeiro que a forma básica ainda é a mesma. Em cada caso, um homem ou uma mulher se faz passar por outro indivíduo, seja ficção ou real. Um ator procura se tornar essa outra pessoa. Mesmo atores mundanos atestam abertamente essa definição em suas entrevistas em jornais ou revistas. Eles dizem que, para ser o melhor imitador (ator), é preciso procurar tornar-se essa outra pessoa. Somente esse tipo de compromisso e zelo para personificar o mais próximo possível, pode produzir um retrato fiel à vida. Assim, a fim de representar adequadamente Martinho Lutero, Noé, Judas Iscariotes ou o próprio Jesus, é preciso procurar tornar-se essas pessoas.

Muitos hoje, em nome da religião e da edificação dos santos de Deus, tolamente tentam se tornar o sujeito das ações de Cristo, outros personagens bíblicos, santos ou o povo fictício de suas imaginações. Assim como os culpados são os observadores e ouvintes dispostos do mal do drama.

 

Avaliando o drama à luz das Escrituras

Muitas questões

Isso traz à mente e ao coração do crente uma série de perguntas. Alguém pode alegar inocência pelo pecado e natureza pecaminosa do indivíduo que ele personifica? Deus está bem satisfeito com o Seu povo que participa ou assiste a imitações? Pode alguém praticar a santa atividade da oração? A forma do drama é aprovada pelo nono mandamento que proíbe hipocrisia e mentira? A forma de drama está em harmonia com as doutrinas da fé reformada?

As respostas a essas perguntas têm consequências para nós. Se as respostas a essas perguntas forem “Sim”, poderemos continuar assistindo a todas as formas de dramas bons e religiosos na televisão, em vídeos, no palco e em programas escolares ou dominicais. Se a resposta fosse sim, então aqueles que têm uma peça sobre o nascimento de Cristo deveriam incluir a cena da manjedoura sem vergonha.

No entanto, se a resposta a estas perguntas for “Não”, então devemos examinar a nós mesmos, arrepender-nos e corrigir nossos caminhos e nossos feitos com relação à prática e doutrina malignas do drama.

Qual é a resposta da Escritura?

Resposta da Escritura

A resposta da Escritura é “não”.

Deus não está satisfeito com a imitação porque é hipocrisia e mentira. A imitação exige que o homem não seja fiel ao que Deus o fez, mas deixe de lado sua pessoa e identidade e se torne outra pessoa. Entenda que o ator não está apenas assumindo a pessoa de outro, mas também necessariamente a natureza pecaminosa daquele outro indivíduo. Fazer isso é entrar na vida da mentira e do mal.

Por isso, devemos considerar honestamente o que Deus diz do seu trono de julgamento. Deus, no julgamento, absolve um homem por agir do pecado e da natureza pecaminosa de outro homem? Irá Deus aplaudir o desempenho da atividade íntima de aliança da oração? Deus se deleitará em hipocrisia? Deus vai comandar o seu povo por ser digno imitadores?

A resposta das escrituras é a resposta de Deus: “Não!” Aqui seguem cinco razões principais.

Um ataque à soberania de Deus

A forma de drama ataca a soberania de Deus. Ele ataca o direito de Deus de governar a Sua criação como Ele quer. Ataca o direito soberano de Deus de requerer do homem obediência a ele.

O soberano Deus sustenta e governa por Sua soberana Palavra de poder a pessoa e a natureza de um indivíduo. Deus, de acordo com Sua sabedoria soberana, determina a natureza, a pessoa e as circunstâncias da vida de um homem. É da prerrogativa de Deus e do direito de fazer tudo o que Ele tenha satisfeito com a nossa vida. É também direito de Deus exigir que vivamos como aqueles que Ele nos criou. Entretanto, para alguém se tornar o sujeito da natureza de outro homem e tentar suportar a natureza pecaminosa de outro, é uma tentativa de se opor ao direito soberano de Deus de não nos tornar esse outro indivíduo. Portanto, um ator peca contra a soberania de Deus , ele considera a soberania de Deus como tola para restringir o homem de se tornar outro indivíduo. 

 

Para o crente, portanto, a participação ou o desfrute da personificação é também desobediência e rebelião indesculpável. O filho de Deus, em quem Deus estabelece essa nova natureza e a imagem de Cristo, não tem o direito de desejar tornar-se outra pessoa. Isso é desobediência. É porque Deus nos criou em Cristo Jesus para boas obras. Esse é o direito soberano de Deus e o eterno prazer em fazê-lo. Uma vez que esta é a verdade, o crente então não pode negar essa verdade e personificar as más obras e a natureza pecaminosa de outro homem. Isso é contrário ao propósito soberano da nossa santificação, que é a santidade.

Um ataque à doutrina do pecado

A forma de drama ataca as doutrinas do pecado e da depravação total. O drama permite que um homem brinque com o pecado. Subtilmente, o drama nos faria acreditar que o pecado é apenas na ação. No entanto, o pecado não é apenas pecado no ato, mas o pecado está sempre na natureza também. De maneira enganosa, o drama exige que um homem não apenas cometa os pecados, mas, em essência, também se torne culpado do pecado desse homem. Assim, é impossível para um homem representar a vida de Noé ou Davi sem se tornar culpado de seus pecados notáveis.

À luz disso, é bom ser encontrado em representar a depravação total da natureza de outro homem? Quem em sã consciência desejaria se tornar o sujeito da idolatria, fornicação, roubo, assassinato, blasfêmia ou cobiça de outro? A Palavra de Deus diz que “aqueles que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus”. ( Gálatas 5: 21b ) Você se colocaria deliberadamente sob o julgamento daquela Palavra de Deus?

No entanto, alguns ainda podem dizer que há coisas boas nessas coisas. Podemos aprender com os erros pecaminosos dos outros quando exibidos graficamente e dramaticamente diante de nós. No entanto, Deus não será ridicularizado por esse raciocínio. Deus é justo para nos levar a colher os frutos amargos dessa tolice. Aqueles que se entregam ao drama, Deus os fará colher o fruto amargo de ter também a culpa e a corrupção do outro homem em sua natureza. Até o mundo atesta a realidade do julgamento justo de Deus contra o pecado do drama. Mesmo os atores mundanos admitem que suas personalidades se tornam irrevogavelmente alteradas para pior depois de representarem a natureza pecaminosa dos outros.

Portanto, em vez de reverenciar-se humildemente diante do conhecimento de nossa depravação total e confessar que não há nada de bom no homem, o mal do drama na realidade promove o afundamento no pecado para o suposto objetivo de nosso bem espiritual. Promove aquele objetivo inútil naqueles que atuam e naqueles que assistem.

Em oposição a esse julgamento de drama, os proponentes do drama persistem em nos dizer que há algo que vale a pena e é bom nos atos pecaminosos de outro homem. Bom em imitar o pecador? Tolamente, a igreja que promove a personificação, principalmente, comete os mesmos pecados. Como? A igreja, em sua própria sabedoria, procurou personificar Deus para determinar o que é bom e o que é mau para sua vida e prosperidade. Tão sutilmente o diabo ataca a igreja. Deixe-nos tomar cuidado!

Um ataque múltiplo à doutrina da graça

A forma de drama ataca a doutrina da graça soberana de Deus. Este ataque vem contra a graça em três frentes. Em primeiro lugar, ataca a revelação da graça de Deus nas Escrituras. Se o drama era bom em si mesmo como uma forma, já vimos que as Escrituras são algo que não pode consistentemente ser deixado intocado.

No entanto, quando um homem age as boas obras de um santo, por exemplo, ele polui a verdade da graça de Deus estabelecida nas Escrituras, como em Efésios 2: 8-10 . Lá aprendemos que somos salvos pela graça somente através da fé que é o dom de Deus. Aprendemos que pela graça realizamos boas obras eternamente preordenadas. Entendemos que essa graça é soberana, gloriosa e maravilhosa. Agora, para alguém fazer-se passar por um bom trabalho, é procurar personificar a Deus e a Sua graça, que irresistivelmente modela e nos leva a realizar esse bom trabalho. Podemos tornar a graça de Deus em santificação, um brinquedo?

Além disso, manifestar a maravilha da graça na Encarnação ou na crucifixão é altamente blasfêmia daquela indescritível e incomparável maravilha. A maravilha da graça não veio pela vontade nem pelo trabalho do homem. Essa maravilha era absolutamente impossível para o homem realizar. Por que então a igreja hoje persiste para reencenar coisas como a maravilha da graça na encarnação ou crucificação? Por que a igreja procura reencenar a maravilha da santificação na vida de um santo? Negativamente, isso é impossível de fazer. Positivamente, deixe a igreja apenas testemunhar e testificar pelo discurso as maravilhosas obras de nosso Deus. Então deixe a igreja rezar em ação de graças!

Assim, nós condenamos toda personificação de Cristo, incluindo o Seu sofrimento e morte. Pode um simples homem tomar sobre si a pessoa do Filho de Deus? É o auge do orgulho do homem pensar que ele pode personificar o próprio Deus em nossa carne. De fato, isso é o que o anticristo fará. Quando ele é revelado, ele é o imitador de Cristo e de Deus ( II Tessalonicenses 2: 4 ). A igreja pode nunca tolerar tal blasfêmia da maravilha da salvação em Jesus Cristo nosso Senhor.

Em segundo lugar, o drama hoje também ataca os meios da graça. Por causa de sua atração e poder de entretenimento para prender a atenção dos observadores, o drama é uma séria ameaça à substituição do principal meio de graça ordenado por Deus: a pregação da Palavra. As escrituras também têm algo a dizer sobre essa ameaça à pregação. Em 1 Coríntios 2: 1-2o apóstolo Paulo lembra aos coríntios que ele não pregou a Palavra para eles na sabedoria dos homens. Isso significa que o apóstolo não trouxe a filosofia dos gregos aos santos, nem usou os métodos populares de transmissão de conhecimento: oratória e drama. Ele não fingiu, mas falou em discurso simples e sem adornos. Como o apóstolo, assim a igreja e o seu povo não devem se fazer passar, mas com toda ousadia e franqueza falarem a Palavra de Deus. A igreja deve perseguir os atores e jogar fora do púlpito pelas chaves do Reino, e deve manter na frente e no centro a pregação do evangelho que é o poder de Deus para a salvação.

Finalmente, devemos considerar que o mal do drama ataca a graça de Deus de outra maneira. Anteriormente escrevemos sobre uma declaração sinódica oficial que aprovava a forma do drama. Essa justificativa da personificação como arte e atividade legítimas para o cristão baseou-se na teoria da graça comum, conforme ensinada pelo pregador holandês e depois pelo primeiro-ministro holandês, Dr. Abraham Kuyper. De acordo com a sua teoria, Deus preserva a sociedade pela Sua graça comum (“gemeene gratie”) de modo que existem coisas no mundo que são em si mesmas coisas boas. Uma dessas coisas é a forma de drama. Nesta suposta base doutrinária, o drama é julgado como uma atividade legítima do cristão. Nesta base doutrinal, o drama é visto como um produto da graça comum de Deus. Deus preservou através dos tempos por Sua graça comum, a forma de drama para o uso da igreja hoje. Essa visão basicamente torna Deus eticamente e moralmente responsável pela forma do drama.

No entanto, essa justificativa da forma de drama é uma negação da graça de Deus. A graça de Deus não é responsável pelo mal da imitação, porque você nunca encontrará a graça de Deus entre os não regenerados. Por que não? A voz autoritativa da Palavra de Deus nos diz que Sua graça eletiva é encontrada somente em Cristo Jesus e é soberanamente dada somente àqueles que estão em Cristo Jesus ( II Timóteo 1: 9-10 ). Portanto, estes não escolhidos e não unidos em Cristo pela graça soberana não têm graça. Porque não há graça no mundo perverso e não regenerado, Deus nunca pode ser eticamente e moralmente responsável pelo drama. É o fruto podre do pecado do homem.

Esta conclusão implica que a teoria da graça comum justifica o mal da personificação de pessoas fictícias ou reais como boas, justifica o sacrilégio de personificar santos bíblicos e o próprio Cristo como proveitoso, e no fundo faz de Deus e Sua santa graça o autor do mal de representação. A heresia da graça comum justifica uma prática maligna que é antitética à fé e prática reformada. A graça comum é anti-reformada.

Um ataque à antítese

A forma de drama é uma ferramenta do diabo para atacar sutilmente a antítese. Embora o drama seja considerado bom por muitos, na realidade atrai a igreja para a linha de separação entre a igreja e o mundo. O único fruto que a igreja colhe disto é sua própria ruína. Ao invés de aprender a viver piedosamente, a igreja aprende a amar o mundo, as coisas que estão no mundo e a mentira. As criancinhas aprendem a brincar com o pecado antes do desenho animado e do filme de desenho animado. O adolescente aprende na tela a brincar com o pecado ou aprende a rir da vida dos santos. A igreja aprende a abandonar o princípio regulador da adoração, aprende a chamar bem o que Deus condena  como o mal e aprende a amar o que é do mundo. Por isso, o drama é um veneno espiritual destinado a abafar e matar a vida sagrada e pacífica do povo de Deus.

Violação do nono mandamento

Deus exige de nós obediência a tudo o que Ele disse em Sua Palavra, que inclui obediência ao nono mandamento. De acordo com Sua santidade e justiça, Deus exige de nós que o nono mandamento seja verdadeiro. Com respeito a nossa pessoa e naturezas, devemos ser fiéis ao que Deus nos fez em Cristo Jesus. No entanto, para o crente representar, é uma tentativa pecaminosa de ser o que Deus não fez dele. Assim, o drama cai sob a condenação do nono mandamento como uma forma de mentir.

Podemos, por exemplo, fazer a oração diante do nosso Pai celestial? Podemos orar ao nosso Pai como alguém que não somos? Deus se deleita na oração “falsa” pelo pão de cada dia, coisa que em uma peça certamente não precisamos de nós mesmos ou de sustentar a graça para uma provação na qual, como agimos, não somos? Deus se deleita em Seus filhos que, em vez de fugirem para a cruz de Cristo para se refugiarem do pecado e da culpa, se envolvem voluntariamente no pecado dos outros e se expõem à escravidão do pecado e da culpa do outro? Tal é tolice. Tal é apenas uma hipocrisia abominável. A participação ativa ou passiva no drama é desobediência à exigência Divina de veracidade e integridade em toda a nossa vida.

 

A recompensa pelo drama

A pesada ira de Deus

No Dia do Senhor, no dia 43 do Catecismo de Heidelberg, todas as mentiras são julgadas com base na Palavra de Deus como as obras adequadas do diabo. Ele era o mentiroso desde o começo. Como a forma de drama é um tipo de mentira que é condenado pelo nono mandamento, o drama é uma das obras adequadas do diabo. Desde que isso é verdade, o Catecismo de Heidelberg ensina que ele traz sobre si a ira pesada de Deus. Não se engane sobre o que este credo significa: a forma do mal do drama e os impostores injustos queimarão para sempre no fogo da eterna ira de Deus no inferno. Imitadores não devem herdar o reino de Deus ( Gálatas 5:21 ).

Para que não pensemos muito em nós mesmos, devemos entender com muito cuidado que esse pecado também está enraizado em nossa depravação total por natureza. Nós seríamos como Deus, conhecendo o bem e o mal. Nós, em nosso pecado, tentamos, em princípio, tornar-nos soberanos e determinar o que será bom e mau para nós. Este foi o pecado do diabo desde o começo. Será o grande pecado do anticristo no fim dos tempos que tentará se sentar como Deus no templo de Deus. Deste pecado somos culpados por natureza e estamos expostos à ira eterna de Deus. Existe alguma esperança?

Nossa única esperança

Nossa única esperança é em nosso Senhor Jesus Cristo. Cristo morreu na cruz por imitadores. Ele morreu na cruz como alguém condenado pelo mundo religioso e político como O IMAGINADOR. Caifás condenou a Cristo por tentar ser a pessoa do Filho de Deus. Mas o próprio Cristo não é um imitador. Ele é a verdade. No entanto, Ele foi condenado à morte por Deus como um por imitadores; isto é, no lugar de Suas pessoas eternamente e particularmente escolhidas que em seu pecado e orgulho tentam ser como Deus. Em Sua morte, Ele suportou a justa recompensa do nosso pecado de imitação. Cristo suportou a pesada ira de Deus sob a qual deveríamos ter perecido eternamente. Por sua morte, Ele expiou todos os nossos pecados. Com base em Seu sangue derramado, somos declarados inocentes do pecado da imitação.

Nós devemos ir e não pecar mais porque somos filhos de Deus para sermos imitadores Dele, nosso Santo Deus. O Espírito de Cristo, pela graça soberana, opera em nós como Seus queridos filhos para andar como filhos do Pai à imagem de Cristo. Ele trabalha em nossos corações a confissão: “Eu sou o que eu sou em Cristo pela graça de Deus!” Já que somos filhos de Deus somente pela graça, aprendemos a não procurar ser outro nem a ser entretidos por aqueles que fazem pecaminosamente. Em vez disso, vamos procurar cumprir nosso chamado adequado.

 

O chamado do crente

Uma chamada dupla

Primeiro, o crente deve se arrepender e fugir do pecado da personificação. Ele deve se recusar a participar do drama e se recusar a ser entretido com isso. Isso pode significar demissão voluntária da classe bíblica, da aula de história ou do exercício da capela em que esse drama é usado. Sem dúvida, tal recusa resultará em ridículo. No entanto, as Escrituras exigem de nós o tipo de intolerância para o drama do pecado que a Igreja primitiva também manteve. Exige da igreja e do crente uma santa intolerância e ódio até mesmo pela forma do drama.

Em segundo lugar, o crente encontra seu chamado positivo nas palavras de Filipenses 4: 8-9 . Cristo nos chama a pensar sobre as coisas que são verdadeiras, honestas, justas, puras, amáveis ​​e de boa fama. Cristo nos chama para aprender, receber, ouvir e fazer essas coisas. Essas coisas recebem o louvor e a aprovação da Sagrada Escritura e do próprio Deus.

Quais são essas coisas? Essas são as ações que fluem desse princípio de vida no novo homem de Cristo. Devemos odiar o velho homem do pecado e suas más ações. Somos chamados a colocar apenas aquele novo homem de Cristo. Esse é o homem de Cristo cujos atos são apenas santidade, justiça e verdade. Pela fé, devemos viver nessa veracidade, santidade e obediência diante de nosso Deus.

Bem-aventurança na veracidade

Nesse modo de obediência a Deus e à Sua Palavra, há grande bem-aventurança para o crente. Deus nos promete que teremos paz neste caminho da veracidade. Essa paz é o conhecimento do perdão dos pecados e o desfrute da vida da aliança com Deus pela graça que nos criou em Cristo Jesus. Essa paz não merecida é também a paz de segurança e proteção das más obras do diabo e da maldade do mundo. Essa é a paz que os santos fiéis e lares da aliança desfrutam, não vivendo como filhos do ator, o diabo, mas somente como filhos de nosso Pai celestial em justiça, paz e alegria no Espírito Santo pela graça de nosso Senhor Jesus Cristo.

  • Twitter - Black Circle
  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram

© 2019 por Legado Reformado