Redefinindo a Humanidade

 

Rev. Angus Stewart

 

1ª Carta

(publicado no Belfast Telegraph em 9 de novembro de 2015; as palavras em itálico foram omitidas)

 

Em nossos dias de relativismo moral, uma redefinição da humanidade em grande escala está acontecendo. Homens e mulheres estão sendo redefinidos como animais superiores, e alguns estão pressionando para que certos animais sejam redefinidos como pessoas. No entanto, bebês em gestação foram redefinidos como não-pessoas em muitos países para justificar seu assassinato.

 

Parcerias civis entre homossexuais foram trazidas e agora muitos estão pressionando por uma redefinição do casamento, envolvendo dois homens ou duas mulheres.

Outros querem mais permutações do casamento. Logicamente, se o gênero é irrelevante no casamento, por que os números envolvidos são importantes? Então, por que não poligamia, poliginia e poliandria? Se a barreira natural entre dois homens se casar puder ser removida, como alguém pode justificar um limite de idade inferior arbitrário para o casamento ou relação sexual?

Agora a causa da moda é o transgenerismo, tanto masculino quanto feminino, ele e ela, irmão e irmã, sobrinho e sobrinha, tio e tia, pai e mãe, etc., estão sendo redefinidos.

E quanto aos “direitos” de um homem ou mulher bissexual se casar com duas pessoas: alguém do mesmo gênero e alguém de um gênero diferente? A “igualdade no casamento” é negada a eles? E quanto ao casamento bissexual para transgêneros? O que significa adultério ou incesto em um mundo de redefinição de gênero e casamento?

De acordo com a perda de padrões morais objetivos e identidade, através da redefinição dos seres humanos, personalidade, casamento e gênero, algumas pessoas estão se tornando mais tolerantes e aceitando a bestialidade. Afinal, a tolerância não é continuamente proclamada a nós como a principal virtude? O refrão do dia é: quem somos nós para julgar? Além disso, o que há de errado com a bestialidade, se somos basicamente animais também?

Enquanto isso, a definição de “intolerante” está sendo ampliada para incluir aqueles que questionam ou se opõem aos últimos exemplos de redefinição, e o opróbrio acumulado sobre essas pessoas “intolerantes” e “tacanhas” está aumentando, assim como a ameaça de processos judiciais. para "discurso de ódio", palavras proferidas ou escritas que são contrárias às redefinições liberais.

Antes e junto as redefinições da humanidade, em termos de pessoalidade, casamento e gênero, está a redefinição de Deus. O amor foi redefinido como tolerância, depois aprovação e agora celebração do pecado, especialmente do pecado sexual. Esta redefinição do amor é impingida a Deus e Ele é retratado como se Ele fosse um deus impotente de apenas um atributo redefinido. No entanto, o verdadeiro Deus e Seu amor são eternos, imutáveis, sábios, santos e justos.

Assim a humanidade está sendo redefinida para promover suas concupiscências e o infinitamente justo Deus está sendo feito à imagem do homem pecador.

 

 

2ª Carta

(publicado no Belfast Telegraph em 17 de novembro de 2015; as palavras em itálico omitidas)

 

Considerando que detratores on-line da minha carta (9 de novembro) negaram veementemente que há relativamente pouco tempo no Ocidente houve uma redefinição da humanidade (como animais superiores), pessoas (com bebês não-nascidos sendo não-pessoas), casamento (entre homens ou duas mulheres), amor (tolerância, então aprovação e agora celebração do pecado, especialmente pecado sexual) e “bigot” (aquele que desafia redefinições liberais), Brian McClinton se orgulha dessas coisas como “progresso” (11 de novembro)!

O que mais constitui "progresso" e para onde se dirige a seguir? Atualmente, a causa da moda é o transgenerismo, tanto masculino quanto feminino, ele e ela, irmão e irmã, sobrinho e sobrinha, tio e tia, pai e mãe, família, etc., estão sendo redefinidos.

E quanto aos “direitos” de um homem ou mulher bissexual se casar com duas pessoas: alguém do mesmo gênero e alguém de um gênero diferente? A “igualdade no casamento” é negada a eles? E quanto ao casamento bissexual para transgêneros? O que significa adultério ou incesto em um mundo de redefinição de gênero e casamento?

Além disso, o que há de errado com a bestialidade, se somos definidos também como animais? Afinal, a “tolerância” não é continuamente proclamada a nós como a principal virtude? O refrão do dia é: quem somos nós para julgar?

Brian considera que "em muitos aspectos o ‘amor’ aumentou." Mas a questão não é matemática, sobre "mais" amor, mas sobre seus objetos ilegais, que revelam a natureza de tal "amor" como afetos "desordenados." O “amor” sexual pelo cônjuge ou fetiches de outra pessoa, ou por alguém do mesmo sexo ou de menores ou animais, etc., é uma luxúria pecaminosa.

Nós estamos lidando aqui não com o progresso moral, mas com a degradação da humanidade, o que se encaixa com a afirmação de Brian de que “nós éramos humanos” - observe o tempo passado!

Brian também prova meu ponto em relação às redefinições paralelas de Deus e do homem: “Certamente um Deus amoroso ficaria satisfeito com essas redefinições [da humanidade]?” Este é o novo deus politicamente correto sonhado pelos animais em evolução, que costumavam ser humanos, para tentar se sentir melhor sobre seus “eus” redefinidos.

Este artigo foi retirado do site:

http://www.cprf.co.uk/articles/redefininghumanity.html#.XDew2FxKiUk

Para material reformado em português clique no link:
http://www.cprf.co.uk/languages/portuguese.htm#.XAsheGgzbIU