Uma Definição da Pregação do Evangelho: Calvinista ou Arminiano?

 

Rev. Angus Stewart

Eu acho que o método correto de pregar é este. Primeiramente, para pregar em qualquer lugar, após uma declaração geral do amor de Deus aos pecadores e sua disposição de que eles sejam salvos, pregar a lei da maneira mais forte, mais próxima e mais perspicaz possível; somente misturando o evangelho aqui e ali, e mostrando-o, por assim dizer, longe ... quero dizer, pregando o evangelho, pregando o amor de Deus aos pecadores, pregando a vida, a morte, a ressurreição e a intercessão de Cristo, com todas as bênçãos que, em conseqüência disso, são dadas gratuitamente aos crentes verdadeiros. 1

Quem disse essas coisas? Quem apresentou isso como sua visão da pregação e sua definição de pregar o evangelho? Quem aqui começa suas declarações da pregação do evangelho como uma declaração de um amor universal de Deus para todos os homens, cabeça por cabeça (graça comum) e Sua vontade ou desejo de salvar a todos (oferta livre)?

Não foram defensores da livre oferta como Louis Berkhof, Phil Johnson, Iain Murray ou John Piper. Foi esse arqui-arminiano John Wesley (1703-1791)!

Mais do que o próprio Jacob Arminius, Wesley provavelmente fez mais para promover o arminianismo do que qualquer outro homem. Através dos mais de 40.000 sermões que ele pregou na Grã-Bretanha, Irlanda e América; seus vastos escritos (incluindo seus sermões, diário e anotações sobre o Novo Testamento), totalizando 32 volumes em uma edição; seus hinos arminianos (junto com os de seu irmão, Charles) cantados em todo o mundo; os muitos ministros que seu movimento produziu, incluindo pregadores leigos e pregadoras, em todos os continentes; as muitas sociedades e igrejas que ele estabeleceu ou gerou em todo o mundo; Wesley promoveu o arminianismo global mais do que qualquer outro.

Ele forneceu as sementes não apenas para o movimento metodista e outras igrejas arminianas, mas também para o “movimento de santidade” (pois seu arminianismo o levou a abraçar e promover o perfeccionismo), bem como para o pentecostalismo e carismático (que são tipicamente arminianos e desenvolvem o Wesley endosso e promoção de fenômenos carismáticos, tais como sonhos, visões, curas, "dons", etc.), com suas muitas igrejas e numerosas denominações em todo o mundo.

Não é de admirar que Wesley teve que "arrancar" os trinta e nove artigos, a confissão à qual ele jurou ser um ministro anglicano! Sua infidelidade a seus votos e crenças na ordenação também tem sido amplamente seguida em todas as igrejas do mundo. Muitas são as maneiras pelas quais ele procurou desfazer a Reforma! As sábias palavras de Salomão certamente se aplicam a João Wesley: " Quase cheguei à ruína completa, no meio da congregação e da assembléia. (Provérbios 5:14).

Séculos após sua morte, Wesley continua a ser o queridinho de milhões de arminianos e até, infelizmente, professos calvinistas, em todo o mundo. Este ultimo (o mundo), teria especialmente agradecido John Wesley por odiar o evangelho da graça particular, chamando o evangelho de "blasfêmia", um evangelho que representa "Deus pior que o Diabo, tanto mais falso, mais cruel e mais injusto".2

John Wesley procurou enfraquecer e destruir a verdade da soberania de Deus de qualquer maneira, mesmo recorrendo à condensação, distorção e falsificação do livro de 134 páginas “Absoluta Predestinação” de Augustus Toplady em um tratado de 12 páginas, terminando com estas palavras indecentes:

"A soma de tudo é esta: um em vinte (suponho) da humanidade é eleito; Dezenove em vinte são reprovados. Os eleitos serão salvos, façam o que quiserem; os réprobos serão condenados, façam o que puderem. O leitor acredita nisso ou é condenado. Testemunha minha mão, A- T-."

Toplady não escreveu nem defendeu tal coisa. O biógrafo de Wesley, Stephen Tomkins, está certo: "Agora essa fraude provou [Wesley] um criminoso digno de ser transportado para a América se não for enforcado".3 É compreensível declarar de John Wesley: "Acredito que ele seja o mais rancoroso odiador sistema do evangelho que já apareceu na Inglaterra. " 4

Anteriormente, na carta da qual foi tirada a citação no início deste artigo, Wesley declara corretamente que a natureza do evangelho a ser pregado é uma questão "muito importante": "Tenho tido muitos pensamentos sérios a esse respeito, particularmente para alguns meses se passaram; portanto, eu não estava disposto a falar apressadamente ou levemente, mas sim adiar até poder considerá-lo completamente." 5

E qual foi a sua conclusão? O arminiano Wesley não define aqui o evangelho como expiação universal ou a oportunidade que o homem pode ser salvo se ele usar seu livre arbítrio corretamente. Em vez disso, Wesley, após "muitos pensamentos sérios" e "alguns meses" de profunda consideração, destila e define o evangelho arminiano como "uma declaração geral do amor de Deus aos pecadores e seu desejo de que sejam salvos" - o próprio evangelho. da graça comum e da oferta gratuita, tão amada de muitos calvinistas professos!

1 Citado em Horton Davies, Worship and Theology in England, Livro 2 (Grand Rapids, MI: Eerdmans, 1996), I: 152-153; itálico do Rev. Angus.

2 Citado em Stephen Tomkins, John Wesley, A Biography (Oxford: Lion Publishing, 2003) p. 78

3 Tomkins, John Wesley, p. 170.

4 Citado em Tomkins, John Wesley, p, 173.

5 John Wesley's letter to Ebenezer Blackwell, 20 de Dezembro de 1751.

 

Este artigo foi retirado do site:
http://www.cprf.co.uk/articles/gospelpreachingwesley.html#.XDemz1xKiUk

Para material reformado em português clique no link:
http://www.cprf.co.uk/languages/portuguese.htm#.XAsheGgzbIU

  • Twitter - Black Circle
  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram

© 2019 por Legado Reformado